terça-feira, 21 de maio de 2013

E.M. na minha vida

Depois de alguns meses após o segundo surto e vários exames, fui diagnosticada na semana passada com Esclerose Múltipla.
Resolvi escrever a respeito pois tenho tantas dúvidas e também não vou negar, um pouco de medo. 
A E.M. é uma doença inflamatória. Não se sabe o real motivo da manifestação da doença. Pode ser autoimune, e provocada por motivos ambientais ou genéticos. A dúvida começa por aí.
A doença provoca dificuldades motoras e sensitivas. A evolução depende de pessoa pra pessoa, sendo a maioria mulheres, jovens e de pele branca.
No ano passado, senti minhas mãos, minha barriga e meus pés formigarem direto por 2 semanas. Procurei um Neurologista que me pediu exames e na época nada foi descoberto. Tanto é que quando fiz o exame já não sentia mais nada. Um ano depois, mais um surto. Ao abaixar a cabeça, sentia choques que refletiam nas minhas pernas. Fiz duas ressonâncias que me deixaram louca de ansiedade. A demora nos resultados, a incerteza, a procura de uma segunda, terceira e quarta opinião foram me desgastando cada dia mais. 
Pra mim, o mais difícil é aceitar a doença. No começo fiquei revoltada! Não queria que ninguém soubesse e não queria conversar com ninguém a respeito. Todos os médicos que eu fui me disseram a mesma coisa: "você vai levar uma vida normal". Ok. Vida normal. À espera de surtos, tomando Glatiramer todos os dias (até que seja necessário mudar a medicação). Pra mim, ainda não é tão normal assim. Por enquanto. 
Eu sei que existem doenças muito mais graves, mas quando o problema é com você tudo muda.
Espero que logo tudo isso vire rotina e que eu acostume com a minha nova vida.
Sim, nova vida! Pois apesar de todo esse medo e incertezas... tem o lado bom. Tive muito apoio da minha família, meu namorado e amigos. Não quero que tenham pena ou qualquer coisa do tipo. Eu tenho minhas recaídas as vezes mas estou bem. Minha fase de revolta com a doença já passou!
Amanhã começo com a medicação e estou super ansiosa!
Espero que através deste post eu possa ajudar com o pouco que sei sobre a doença.